Cirurgião Paulo Renato de Paula conta tudo o que você precisa saber antes – e depois - da operação (Lipoaspiração)

Matéria veiculada no Jornal Opção 15/04/2018 15h21 Por Matheus Monteiro Edição 2231

A cirurgia de lipoaspiração é aquela onde ocorre aspiração de gordura e pode ser feita em diversas partes do corpo, desde que haja gordura localizada. Classificada como pequena, média ou grande, variando de acordo com a quantidade de gordura retirada e partes do corpo abordadas, a operação tem se tornado cada vez mais comum.

Como qualquer outra cirurgia, a lipo, como normalmente é chamada, necessita de cuidados e apresenta alguns riscos. Pensando nisso, o Jornal Opção entrevistou o cirurgião Paulo Renato de Paula, professor da Universidade Federal de Goiás (UFG) e Chefe do Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital das Clínicas.

Confira tudo o que você precisa saber se está pensando em fazer a cirurgia:

Antes de operar - Cirurgia de Lipoaspiração

Os cuidados no pré-operatório da lipoaspiração são basicamente os relacionados a qualquer cirurgia. “É fundamental que o paciente procure, em primeiro lugar, um cirurgião que tenha formação e seja especialista em cirugia plástica. É possível ligar para Conselho Regional de Medicina para saber se ele (ou ela) tem registro de qualificação de especialidade”, indicou.

De acordo com o especialista, é indicado uma avaliação completa através dos exames e através de um questionário. E não vale mentir. Além de exames de sangue, urina e testes de coração, é de suma importância que seja dito com sinceridade quais medicamentos são utilizados, a existência de alguma doença e se é feito uso de hormônios ou contraceptivos orais. Até mesmo algumas vitaminas, que parecem inofensivas, por exemplo, podem aumentar o sangramento. Por isso, conte tudo ao seu médico.

“Toda e qualquer medicação deve ser relatada ao profissional. Além disso, alergias, quais cirurgias já fez, qual anestesia, se faz uso de álcool, cigarro e drogas, tudo precisa ser dito”, acrescentou.

Por fim, o paciente precisa se informar sobre a instituição onde a cirurgia será realizada, que precisa ter o aval da Vigilância Sanitária e esteja preparada para qualquer eventualidade.

Pós-operatório da Lipoaspiração

Os cuidados depois da cirurgia são tão essenciais quanto os de antes. É importante acompanhamento junto ao médico e, por isso, ir aos retornos deve ser primordial.

As condutas, porém, variam de paciente para paciente e de caso para caso. “No caso da cinta, por exemplo, muitos utilizam, outros não, alguns de forma mais apertada, outros de forma mais frouxa”, exemplificou.

O cuidado com a trombose também merece atenção. Como o coágulo geralmente pode se formar na panturrilha e ir para o pulmão, resultando na embolia pulmonar, o uso de meia pra prevenção é importante, além de caminhadas leves, pelo cômodo mesmo. Tudo isso associado ao uso de medicações que diminuem o risco da trombose.

O paciente precisa ainda evitar exposição ao sol e à claridade; ficar sem pegar peso ou fazer esforços físicos de 20 dias a 2 meses, desde que não seja em áreas com piscina, para evitar manchas.

Quem não pode fazer a Lipoaspiração?

A indicação principal da lipoaspiração é para gordura localizada, ou seja, não é técnica de emagrecimento. Por isso, quem é obeso não é candidato ideal para a lipo. Dependendo de casos muito específicos, pessoas acima do peso, desde que não exageradamente, podem se beneficiar da cirurgia.

Como o paciente fumante tem menor circulação, a tendência é que haja uma menor cicatrização. Desta forma, o ideal é que o uso do cigarro seja interrompido por oito semanas. “Mas sabemos que o procedimento cirúrgico aumenta a ansiedade, o que leva as pessoas à fumar, então, se ele parar por 15 dias antes e 15 dias depois, já é positivo para a cirurgia”, diz Paulo Renato.

Risco na Lipoaspiração

De acordo com o médico, as pessoas acham que a lipoaspiração é a cirurgia mais perigosa que existe, mas não é verdade. Os riscos são os mesmos de qualquer cirurgia, que precisam ser trabalhados de forma preventiva:

  • Pneumonia – rara
  • Infeccção – pouco comum
  • Infarto – baixo risco
  • Perfuração de órgãos – muito raro
  • Trombose – raro

Recuperação na Lipoaspiração

A cirurgia em si costuma demorar de uma a três horas, dependendo da experiência do cirurgião e do tamanho da região.

Os primeiros 10 a 15 dias posteriores são os piores, com existência de dores e fraqueza. Com 15 dias, você começa a melhorar e com 30 dias você já leva a vida quase dentro do normal.

O resultado começa a ser percebido com 3 meses e o resultado mais definitivo aparece de 6 meses a 1 ano após a cirurgia.

Medidas

É importante falar que existem padronizações para se trabalhar com segurança. “Não se pode ultrapassar 5 a 7% da gordura corporal retirada e a área do corpo lipoaspirada não deve passar de 40%”, orienta Paulo Renato.

Veja a matéria no Jornal Opção.

Leia mais...

O Dr. Paulo Renato enfatiza que é procurado especialmente na sua maioria, pacientes entre 20 e 50 anos. O objetivo é sempre a harmonia do corpo para se sentir melhor.

Em relação aos procedimentos mais realizados nas mulheres, o cirurgião plástico relata que cirurgia específicas são mais comuns em determinadas idades, mas não exclusivas. Em crianças após os seis anos de idade, as cirurgias estéticas mais frequentes são aquelas para correção de orelhas em abano. Após os 17 anos, a cirurgia mais comum é a mamária (seja para redução ou aumento dos seios) e a lipoaspiração.

“Porém, em pacientes adolescentes, estes procedimentos só devem ser realizados naquelas que apresentam maturidade, compreendem a dimensão do procedimento e o tempo de recuperação, tenham expectativas reais e estejam preparadas para possíveis intercorrências e complicações”, alerta Simmons.

Além desses procedimentos, a cirurgia nasal (rinoplastia) também está entre as mais procuradas por mulheres até 40 anos. “Nessa faixa etária, acrescentam-se também as cirurgias em abdômen (abdominoplastia ou miniabdominoplastia) como as mais frequentes”, afirma.

Após os 50 anos, aumenta a procura por cirurgias que envolvem o rosto, como as pálpebras (blefaroplastias) e face (ritidoplastia). “As pacientes podem operar desde que bem avaliadas por um cirurgião e realmente apresentem alterações para que se justifique a realização do procedimento”, esclarece o cirurgião.

 

A matéria completa foi publicada no link: http://www.cuidadofeminino.com.br/bem-estar/saude-de-a-a-z/cirurgia-plastica-sera-que-devo/

Leia mais...

Ao lado de Bryan Mendelson, renomado cirurgião plástico conhecido e respeitado mundialmente pela cirurgia plástica estética facial, Dr Paulo Renato participou de 3 a 5 de Novembro de 2016 do aperfeiçoamento avançado de Anatomia e cirurgia Facial em Melbourne.

No evento Dr Paulo esteve em contato com as técnicas mais avançadas da cirurgia plástica e anatomia facial. O diferencial deste evento foi a participação prática em procedimentos cirurgicos para aprimorar a aplicação de técnicas avançadas construídas a partir de avanços recentes na comunidade científica.